quarta-feira, novembro 22, 2017
Home > Educação > CONTOS DE PAPEL E SANGUE

CONTOS DE PAPEL E SANGUE

A CULPA FOI DO PROFESSOR

AUTOR: TARCÍSIO LIMA

O sol já havia se inclinado quando eu ouvi o primeiro grito da minha mãe: 

– Pedro Henrique acorda pra você não se atrasar pra escola!!!! 

Em meio ao sono e a preguiça, levantei. Caminhei ainda sonolento até o banheiro, mas um banho gelado logo me despertou. Também, noite passada fiquei fumando maconha até tarde na pracinha. Eu não queria ir a escola, minha mãe que me obrigava, então ficava do lado de fora da escola gastando com os moleque. Tava fazendo um sol do caralho, nem parecia que era março. Eu estudava no Compositor Luís Carlos da Vila, em Manguinhos e morava na favela do Jacarezinho. Fui comprar um cigarro e o Cocão veio até mim, falou que ia meter um assalto no busão e me chamou pra ir junto.  

– Maluco e se alguém nos pegar?  

– Vamo chegar, anunciar assalto, recolher os celulares e se adiantar, não tem erro. 

– Tu tá é chapadão, e o ferro?  

– Vou pegar um oitão com o DG. 

– Já é. 

Fiquei um pouco com medo, mas ele me dissera que ia render um bom dinheiro e na selva é preciso matar um leão por dia pra poder continuar vivo. Dia seguinte levantei cedo, céu nublado, as nuvens ofuscando o brilho do sol da manhã e minha mãe dissera pra eu não ir a escola porque ouviu som de tiros, mas eu não podia furar com o amigo. Ia matar aula e de lá partir com ele pro assalto. Quando  relógio marcava 09:15 ele chegou com o ferro na mochila e uma camisa pra mim, fomos pro ponto do busão e pegamos o 298 sentido Acari. Quando anunciamos o assalto foi que reparei que meu professor de história tava dentro do ônibus, mas já era tarde, ele me reconhecera e veio em minha direção calmamente.  

– Guarda essa porra e vai embora agora.  

– Qual foi professor?  

– Qual foi o caralho Pedro Henrique, tua mãe sabe que tu tá aqui? Conheço tua mãe há anos e ela dá um duro do caralho pra te criar sem pai, se você roubar essas pessoas que são trabalhadores como ela, vou na sua casa com todo mundo falar com sua mãe! 

Descemos do ônibus cabisbaixos, no outro dia pra piorar eu ainda tinha aula de história. Quando a lua deu lugar a sol e começou mais um dia eu não queria nem entrar na escola, mas entrei. O professor veio falar comigo.  

– Pedro Henrique o que foi aquilo?  

– Po professor eu podia ter dado um tiro no senhor, por que o senhor fez aquilo? Passei mó vergonha!  

– Podia nada, porra cara tua mãe dá mó duro, tu não pensa nela não? Toda escolha que a gente faz, independente de qualquer coisa, reflete nas pessoas que a gente ama.  

Depois da aula fui embora pensando no que o professor me dissera, o pai foi morto num assalto, então pude entender a frustração dele por me ver naquele ônibus. Depois daquele dia, nunca mais fui o mesmo, passei a estudar com afinco e me formei no ensino médio e consegui uma bolsa de estudos pra cursar letras, e a culpa foi do professor…. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *