sábado, novembro 18, 2017
Home > Educação > MANGUINHOS NA HISTÓRIA FÉRREA DO BRASIL

MANGUINHOS NA HISTÓRIA FÉRREA DO BRASIL

A linha que unia o centro do Rio de Janeiro a Petrópolis e Três Rios, passando por Manguinhos, foi construída por empresas diferentes em tempos diferentes.

Uma pequena parte dela é a mais antiga do Brasil, construída pelo Barão de Mauá em 1854 e que unia o Porto de Mauá (Guia de Pacobaíba) à estação de Raiz da Serra (Vila Inhomirim), em Magé. O trecho entre esta última e a estação de Piabetá foi incorporada pela Estrada de Ferro Príncipe do Grão-Pará, que construiu o prolongamento até Petrópolis e Areal entre os anos de 1883 e 1886.

Finalmente a estação de Areal foi unida à de Três Rios em 1900, já pela Leopoldina. Finalmente, o trecho entre o a estação de São Francisco Xavier, na Central do Brasil, e Piabetá foi entregue entre 1886 e 1888 pela chamada Estrada de Ferro do Norte, que neste último ano foi comprada pela R. J. Northern Railway.

No percurso, a estação que hoje conhecemos com o nome de nosso bairro, foi inaugurada como Amorim em 1886. Depois, foi rebatizada como Carlos Chagas.

Em 1890, a linha toda passou para o controle da Leopoldina. Em 1926 a linha foi estendida finalmente até a estação de Barão de Mauá, aberta nesse ano, eliminando-se a baldeação em São Francisco Xavier. Já na década de 1960, foi chamada de Manguinhos. O trecho entre Vila Inhomirim e Três Rios foi desativado em 5 de novembro de 1964. Segue operando para trens metropolitanos todo o trecho entre o centro do Rio de Janeiro e Magé (Vila Inhomirim).

Célia Ávila,  professora de Geografia e moradora do Complexo de Manguinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *