sexta-feira, novembro 16, 2018
Home > Cidadania > Se Quiser da para Enxergar- Por Paloma Gomes [REFLEXÃO]

Se Quiser da para Enxergar- Por Paloma Gomes [REFLEXÃO]

Muitas lutas são invisíveis aos olhos de quem não quer ver, pois não é interessante de se entender como a sociedade favelada faz para sobreviver, seria pura contradição de quem governa esse país, que fala uma coisa e quer outra, ou mera negação, de não querer resolver a situação?

Muitas dessas lutas diárias que vemos passar pelas nossas ruas e vielas, são de sujeitos que no geral, querem ser discernidos (a) como humanos e, essas pessoas são na real, a grande fatia da população. Muitas sofrem com a perda de dignidade de vida dia após dia. Os nossos olhos precisam enxergar o mundo a nossa volta.

Se enxergássemos, perceberíamos as faltas e as negações de nossos direitos.

Faltam-nos empregos, empregos dignos, que assegure nosso bem estar e de nossa família, falta saúde com qualidade, desde a saúde preventiva, até a saúde hospitalar, que consiga fazer na prática o que foi prometido na teoria pelo SUS. Falta o direito a moradia digna, com saneamento básico, luz elétrica e água potável. Falta valorizar a cultura como ferramenta de transformação, falta investimento nas iniciativas locais para potencializar o que já existe. Falta respeitar a educação e colocá-la em primeiro lugar na escala da prioridade, e não congelar seus gastos por 20 anos, prejudicando toda uma geração de brasileiros. Falta segurança pública que vá muito além da política do fuzil, das operações mal sucedidas, que só criminaliza e matam pobres e favelados.

Pegando o ponto da educação, queriam até retirar HISTÓRIA como matéria obrigatória nas escolas, seria uma matéria como tantas outras importantes, que agora são opcionais, sabem por quê? Porque é perigoso sabermos quem somos, de onde viemos, como chegamos até aqui, quem são os verdadeiros vilões, a razão de tanta falta de consideração com a vida de um ser (que deveria ser irmão) e falta de cumprimento de obrigação da parte de que, cuja função era dar atenção as questões mais difíceis de sobreviver sem elas trazendo soluções e não exclusões.

Não desistam, lutem!Não vão nos calar mesmo tentando nos matar todos os dias com a retirada de nossos direitos.Por essas suas ruas e vielas tem muita gente lutando e querendo o bem de nossas favelas, querendo que mais favelados se conscientizem e somem, porque a força vem da coletividade de construções feitas por nossas mãos, fazendo com que as nossas vozes ecoem pelos cantos de nosso país e vejam que mesmo na dor resistimos, acreditando em nossas sementes lançadas em muitas mentes por aí.

 

PALOMA GOMES é moradora de Manguinhos, formada em pedagogia e militantes dos direitos humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *